domingo, 28 de junho de 2015

PRÉ LANÇAMENTO DO LIVRO "APRENDENDO COM OS ESPÍRITOS"

Em breve lançaremos nossa nova obra, abordando o tema "mediunidade". Apesar de não conseguirmos manter atualizadas as postagens de nosso blog em função de compromissos pessoais e profissionais, a proposta de se concentrar na atividade de psicografia vem provando ser acertada. Os leitores poderão conferir mais essa obra mediúnica nos próximos meses.



Clique na imagem para ampliar

domingo, 10 de maio de 2015

Crítica literária de "O Testemunho dos Sábios"

'O Testemunho dos Sábios'. Crítica literária.
               Saudações caríssimos! Retornamos às atividades, ou melhor, ressuscitamos após um período de mais de ano e meio de vida atribulada e/ou confusa. Mas retornamos com o gosto de anunciar mais um trabalho de fôlego de nosso querido Rafael de Figueiredo. 
              É novamente com os sentimentos de empolgação, novidade e admiração que terminamos mais um romance de concepção mediúnica da parceria entre o médium gaúcho e Frei Felipe. Na sequência dos eventos dramáticos desencadeados em “Do século das luzes”, Jean retorna à vida terrena com propósito e missão algo mais pacatos e civis. “O Testemunho dos Sábios” traz-nos não apenas a sequência de acontecimentos de uma vida, mas nos leva a traçar a linha de evolução histórica do espiritualismo da era de Mesmer e da Revolução à era dos cientistas e sábios que marcaram as pesquisas espíritas entre meados do século XIX e o início do século XX. Só por isso o livro já seria digno de uma análise atenciosa por parte dos interessados nessa trajetória.
            Mas o novo livro de Rafael é também resultado de seu amadurecimento como escritor do gênero novelesco. Enquanto suas obras anteriores guardam os mesmos traços de superioridade e propósito, com o fio condutor moral e metafísico claramente discernível por entre os acontecimentos da vida, narrados com grande riqueza de detalhe, agora sentimos que o gênero se impõe adicionalmente pelo ritmo e tônus mental específicos. Do começo ao fim temos a impressão de nos confrontarmos com uma vida. A “lição” da história não se sobressai aos eventos cotidianos e ao esmiuçar dos sentimentos e conflitos internos de nosso protagonista, agora nascido do outro lado da Mancha sob a alcunha de Edouard Smith (novamente pseudônimo).
            O grande choque desta sequência para o leitor mais conservador é a troca de referenciais filosófico-religiosos de Jean/Edouard. Enquanto o primeiro se fazia notar pela religiosidade sincera e vivida, muito além das roupagens sociais e linguísticas que caracterizam a quase totalidade da humanidade em sua experiência religiosa, o segundo reflete a educação e conceitos céticos e até certo ponto materialistas do final do século XIX. Tal transformação pode soar conflitante com o princípio ocidental de evolução contínua da consciência, mas a riqueza de ambas as obras nos exige cuidados e aprendizados novos em vista da superação de visões preconceituosas e limitadas dessa evolução.
            O conjunto das obras nos revela, assim, a importância e primazia da personalidade sensível e arraigadamente moralista de Jean/Edouard, e como ela reage aos ambientes históricos em suas fortes variações políticas, estéticas, sociais e científicas. Mais do que um direcionamento distinto para vidas distintas, nosso personagem traz à tona a ambiguidade e o conflito da dialética entre interioridade e contexto sócio-histórico.  Além disso, há uma beleza poética e filosófica em uma transição da vida missionária para a simplicidade dos compromissos honrados da vida burguesa, de modo que a ética subjacente se mostra acentuadamente não revolucionária, mas sim trabalhista. O progresso pelo esforço dos dias e o labor das pequenas atividades profissionais, compromissos familiares, toma proporção quase gloriosa diante da vida instintivamente mais heroica do passado. Nosso conceito de uma missão é amadurecido pelo conjunto da obra. 
Se tivéssemos de definir o propósito existencial de Edouard – e, consequentemente, do livro – poderíamos supor que se trata de uma vida em busca de definição e rumo; trata-se de uma história sobre o posicionamento derradeiro de uma alma diante de problemas e questões que se lhe acumulam ao longo dos séculos. Se com Jean (em Do século das luzes) sentimos esse posicionamento vir de modo fácil e descomplicado, é também verdade que Edouard não goza das vantagens de uma vida condicionada e dirigida ao serviço religioso. Como homem livre, de origem abastada, de educação materialista ou ao menos secular de fins do século XIX, Edouard tem horizontes mais largos de possibilidades, e, é claro, potenciais tentações ou distrações desconhecidas do órfão miserável acolhido desde a infância em um mosteiro. O alargamento desses horizontes, suas vantagens, dentre as quais se sobressai o aumento de responsabilidade por suas escolhas, e os riscos que essa ampliação da responsabilidade lhe traz (os atrasos, as dúvidas, os dramas de consciência, o desperdício de tempo,...) são finamente trabalhados ao longo da narrativa, de modo que é mais a sensação do continuum do drama do que qualquer apresentação teórica e explícita que nos deixa a suspeitar de que este é o tema da obra.

Ao final, guardadas as proporções, temos a impressão de que este segundo e talvez derradeiro capítulo da história de Jean/Edouard o aproxima muito da realidade e dos conflitos que presentemente vivenciamos; da falta de referências e lideranças; da impossibilidade de conciliar nossa cultura secular, relativista e materialista (no sentido metafísico ou socioeconômico) com a adesão de fé às ideias hoje quase inaceitáveis de ordem e bondade intrínsecas do cosmos. O sentido da vida, que eclodia fácil e quase automaticamente para Jean, não pode ser facilmente encontrado por Edouard, diante de quem um maior número de caminhos estão abertos. Só nesta perspectiva saberemos valorizar corretamente o mérito do relutante, mas dedicado Edouard, frente ao piedoso e exaltado Jean.
 
Humberto Coelho Schubert
 
 

sábado, 4 de abril de 2015

A FILOSOFIA PERENE



Recentemente fora publicado pela editora Didier esta obra de Humberto Coelho Schubert, que versa a respeito de um dos temas mais vitais para a sobrevivência do idealismo humano e, porque não dizer, da própria essência do Espiritismo. O autor não faz uma apologia ao Espiritismo, longe disso, aborda num sentido mais profundo aquilo que é essencial a filosofia e percepção de sábios e religiosos através dos séculos. Aquele sentimento e percepção que poderíamos aqui, classificar muito bem pelo termo, fraternidade, e que deveria servir de lema a todos os pensadores espíritas.
Humberto escreve uma excelente obra, reafirmando a existência de uma linha base na trajetória do progresso moral humano. Liberto do dogmatismo cristão não faz afirmações competitivas colocando diferentes crenças na condição de concorrentes. Muito antes ao contrário, apoiando-se na máxima de inúmeros pensadores de escol busca enfatizar a procura por um sentido da existência humana.
No momento em que me dedico a um trabalho literário que seguirá por uma linha parecida, o surgimento deste livro serve de incentivo, pois, faz perceber que existe uma preocupação coletiva com a busca por aquilo que é essencial a natureza e aos anseios humanos.

domingo, 27 de julho de 2014

O PROGRESSO, A LEI DE LIBERDADE E AS REVOLUÇÕES

 

O mundo parece convulsionar tomado pelo radicalismo e conflitos armados em diferentes partes. Em países democráticos vemos a insanidade crescer sob influência de espíritos que não aceitam o que é decidido nas urnas, a revolta é estimulada através da mídia e das redes sociais, alimentando um monstro que atende pela hediondez e tem sanha de ceifar vidas humanas. O que se passa? Onde estão os espíritos capazes de erguer a voz e clamar pelo bom senso e a paz? Não seria esse o papel do Espiritismo?

Nos acostumamos a ouvir através de bocas irresponsáveis e ouvidos pouco experientes de que tudo isso é sinal dos tempos, que o mundo convulsiona em prelúdio a uma grande transformação. Entretanto, quando queremos ver nossa casa limpa e renovada, não aguardamos de braços cruzados, deixando que o pó e as teias de aranha se amontoem. É preciso se engajar, esforçar-se atuando diretamente na limpeza e reforma. Porque fazemos diferente quando se trata do planeta inteiro, algo de muito maior relevância? Existe alguma mudança positiva resultante da inercia e da preguiça?

Alguns desavisados conseguem ir mais além, fazendo apaixonadas citações da tomada da bastilha, querendo argumentar que neste dia o povo tomou o poder dos reis do mundo. Só que esquecem de aprofundar essa visão, não comentam que essa desorganizada revolução levou a França a mais de cinquenta anos de caos. Que a população masculina do país foi praticamente dizimada, nas consequentes guerras que surgiram antes e depois de Napoleão. Que a guilhotina injustamente cortou a cabeça de muitos inocentes, que o rio sena havia dias mudava para a cor vermelha em função do sangue derramado. Será que é esse o tipo de mudança que queremos?

Espíritos imaturos acreditam que toda mudança se obtêm através da violência. É natural para consciências que sequer saíram das sombras pensar assim, ainda não viveram a experiência duradoura de se obter progresso através de um senso comum, de diálogos e negociações. Por isso tantas depredações, linchamentos e o uso de fogo em manifestações e protestos. No fim Deus acaba se valendo de nossas imperfeições para que se avance de qualquer forma, mas poderiam progredir de modo mais eficiente e menos custoso.

Repetir velhos erros históricos não é um sinal de maturidade. O cenário mundial atual nos recorda o prenuncio de conflitos bélicos de larga escala. Esse é preço que desejamos pagar para promover a tão aclamada transformação que os espíritas proclamam aos quatro cantos? Quando somos movidos por convicções sinceras o fazemos com o rosto descoberto, de peito aberto e prontos a defender e viver os ideais que abraçamos. Atualmente estamos prontos a condenar todos, principalmente os espíritos encarnados que carregam o fardo da administração pública, e que invariavelmente arcarão com os erros cometidos posteriormente. Os condenamos, marchamos nas ruas pedindo mudanças, muito justo, mas de que vale pregar no exterior o que não consolidamos sequer dentro de nós. Não existe nisso certa hipocrisia? Nossos dirigentes representam a média moral de nossa população, portanto, o mal, a corrupção, os desvarios do crime não estão concentrados apenas nos altos comandos, mas dentro da intimidade de cada um de nós. E é exatamente aí onde devemos começar a mudar, deixando de pensar de modo egoísta e aprendendo a trabalhar por um bem comum, maior e fraterno. Terceirizar responsabilidades atesta nossa imaturidade. O mundo não irá mudar para melhor sem esse esforço pessoal e intransferível.

Não existe progresso sem esforço, sem trabalho. Supor que o mundo esteja fadado ao progresso não nos inclui nessa transformação, pois muito provavelmente somos os elementos refratários que seremos convidados a se retirar se não tratarmos de nos modificar.

Podemos rezar por uma mudança pacífica, mas nossa omissão e silêncio ante a barbárie também é considerado uma falta. Já que tendo consciência do dever não o colocamos em prática. Nosso silêncio, espíritas, não pode contribuir para a propagação do fanatismo e excesso de violência.

Todos queremos um mundo melhor, mas incitar a revolta não nos levará a essa transformação. Precisamos usar nossa influência para inspirar a tolerância e a paciência, defender mecanismos sociais que promovam o bem sem que resvalem na agressividade de nossos irmãos refratários. É preciso respeitar o direito de todos. Nos transformamos em uma sociedade que recorda sempre que possível de seus próprios direitos, mas esquece quase sempre de seus deveres. Se nós já compreendemos isso, mesmo que de modo incipiente, é nosso dever erguer a voz e clamar pelo bom senso, pela paciência e fraternidade, valores distantes dos noticiários nos dias atuais. Esse é o papel das almas esclarecidas, daqueles que tem consciência de que precisam melhorar e que o seu silêncio é uma deserção.

Estimulemos o amor e compaixão, não alimentemos a revolta nesses espíritos imaturos que tomam as ruas com os rostos escondidos. Nada podemos esperar do crime e da violência. Que a frustração política de uma nação se transforme em um pacto social pelo progresso moral e coletivo, através de instrumentos que a democracia disponibilize. Deixemos de lado a calunia de grupos políticos rivais disputando o poder dos homens e nos concentremos e ser a mudança que queremos ver no mundo a nossa volta.

Um filho da responsabilidade que advêm da liberdade.

domingo, 4 de maio de 2014

Como o espiritismo era visto no século XIX

 

ABRIL 2014 Postado por liliancomunica

Fonte: http://www.liliancomunica.com.br/site/index.php/imprensa/como-o-espiritismo-era-visto-no-seculo-xix/

Com mais de 15 mil exemplares vendidos em duas semanas, novo livro de Rafael Figueiredo aborda os princípios da doutrina espírita em Londres

Em seu novo romance, Rafael Figueiredo, inspirado por Frei Felipe, conduz o leitor a vivenciar os primórdios do desenvolvimento do Espiritismo, no final do século XIX. Os protagonistas são o médico Edouard e sua esposa Elizabeth, que, em contato com eventos sobrenaturais, encontram evidências de que as manifestações dos espíritos não eram apenas fruto de cérebros fracos, como ditava o preconceito científico.

Numa sociedade britânica dominada basicamente pelo protestantismo, os estudos sobre a vida após a morte apresentavam para o mundo novas perspectivas sobre a existência humana. Porém guerras e revoluções modificam o roteiro da história, levando os personagens a experiências até então inexplicáveis.

O leitor pode identificar situações de preconceito vindo tanto de filósofos positivistas quanto de religiosos, que acreditavam que o espiritismo era uma agressão contra seus ideais e roubaria fieis de suas igrejas. Além das cenas do embate filosófico-religioso, o livro conduz ao contexto da Primeira Guerra Mundial, a qual o protagonista vivenciou e serviu como médico, demonstrando a importância do evento que modificou o futuro da Doutrina.

Assim, como em Do Século das Luzes também publicado pela editora Boa Nova, O Testemunho dos sábios é capaz de emergir no passado apresentando detalhes da sociedade de Londres do século XIX, durante a Revolução Industrial, em que a pesquisa científica e as economias efervesciam a metrópole – considerada à época a capital do mundo. Em menos de duas semanas de lançamento, o livro já vendeu mais de 15 mil exemplares.

domingo, 23 de março de 2014

DOAÇÃO E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS

 

Texto de 2005 original e ainda não publicado, dando continuidade as nossas publicações de antigos ensaios psicografados.

DOAÇÃO E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS

AMAI, POIS, VOSSA ALMA, MAS CUIDAI TAMBÉM DO CORPO, INSTRUMENTO DA ALMA; DESCONHECER AS NECESSIDADES QUE SÃO INDICADAS PELA PRÓPRIA NATUREZA, É DESCONHECER A LEI DE DEUS.

(GEORGES. O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap XVII, item 11).

Se regressarmos algum tempo no passado iremos aprender que constatávamos o óbito de uma pessoa colocando uma bacia com água sobre seu abdômen observando se a água se movimentava, sinal de que havia respiração. Noutras vezes dispúnhamos de pequenos espelhos ou pequenas peças de vidro em frente às narinas do provável falecido para observar se ocorria embaçar pelo acúmulo de gotículas de água pelo processo respiratório. Esses métodos dependiam de uma avaliação bastante imprecisa que perdurava até surgirem os primeiros sinais de putrefação do corpo, ou até o limite da paciência de quem esperava o resultado da confirmação da morte. Eram comuns os casos em que se apressavam os laudos em função de interesses outros, como em caso de heranças, por exemplo. Acontece que estes diagnósticos não davam conta de todas as possibilidades que uma pessoa pode apresentar na diminuição de suas funções vitais, como os casos da catalepsia e letargia, além de outras situações.

No ano de 1850 um médico francês apresentou um protocolo para constatação do óbito que incluía parada respiratória, parada cardíaca, cessação da circulação e ausência de pulso para constatação da morte de alguém. Até então considerávamos o coração como sendo o órgão primeiro na hierarquia funcional do organismo. Já no século XX iniciam-se estudos apontando não mais o coração, mas o encéfalo (composto pelo cérebro, cerebelo e tronco encefálico) como órgão principal no comando orgânico de nosso corpo.

Havia se constatado que uma pessoa guilhotinada mesmo tendo sua cabeça decepada mantinha seus batimentos cardíacos por mais algum tempo, variando esse tempo de indivíduo para indivíduo. Compreendia-se que uma pessoa não poderia voltar à vida sem sua cabeça, mas se o coração ainda batia poderíamos ou não considerar o óbito? Descortinou-se assim a função primordial do encéfalo comandando o funcionamento orgânico.

Em 1968, em uma conferência realizada na Austrália, questionou-se o que deveria então ser adotado como o conceito de morte que padronizaria os laudos médicos por todo o mundo. A resolução acordada tratava a morte como sendo a cessação irreversível das funções encefálicas. Originava-se o conceito de morte encefálica.

Conforme a lei brasileira homologada em 1997 todos somos doadores de órgãos a menos que nos manifestemos contrariamente. Ao ser diagnosticada a paralisação do funcionamento do encéfalo existe a possibilidade da extração dos órgãos aproveitáveis para possíveis transplantes. A morte apresenta-se como um processo gradual, o que permite a utilização de órgãos que ainda apresentam vida útil no caso de um transplante. Sendo o encéfalo o primeiro mecanismos do corpo a parar de funcionar torna-se possível à captação dos demais órgãos que continuam a funcionar automaticamente por mais certo período de tempo a variar de órgão para órgão. Ao todo, nos dias atuais, apresentamos 62 partes transplantáveis em nosso corpo, o que permite uma ampla possibilidade de doação no intuito de melhorar a qualidade de vida de indivíduos enfermos.

Ao contrário do temor que muitos apresentam, a possibilidade de existir uma aceleração do processo obituário é bastante remota. Existe todo um protocolo médico que dificulta qualquer intervenção interesseira no sentido de favorecer este ou aquele indivíduo acelerando a morte para extração dos órgãos. Durante o desenrolar do diagnóstico existe também a possibilidade de um médico de confiança da família participar das avaliações.

Tendo feito esta rápida explanação sobre aspectos clínicos do diagnóstico que permite a equipe médica possibilidade de extração de órgãos para transplante adentramos nos aspectos pouco explorados que se relacionam à espiritualidade. Dizem-nos os espíritos na codificação, “Quanto maior a identificação do espírito com a matéria, maior o sofrimento para a separação. A atividade moral e intelectual e a elevação dos pensamentos acionam o início da libertação, mesmo durante a vida do corpo.” (LE, Q.155).

A falta de preparo para o desencarne é fator principal nas complicações no momento extremo de transição entre as dimensões. Imaginemos a situação de um paciente terminal, internado em uma UTI hospitalar, sob efeito de forte anestésico. Durante este período acaba por desencarnar e desperta gradualmente na espiritualidade, ainda sob efeito dos tranqüilizantes por tratar-se de um espírito em condições normais e de pouca elevação moral, como a imensa maioria de nós. Nessa confusão desperta ele sem perceber a presença de familiares e funcionários encarnados conhecidos que o atendiam. Talvez ainda instalado em ambiente muito semelhante ao hospital para evitar o brusco choque com a mudança de esfera. Somemos a tudo isso a desconfiança natural de não conseguir compreender as diferentes sensações que apresenta, como em alguns casos, uma rápida melhora dos sintomas que o levaram ao óbito no plano físico. Com toda essa desconfiança, ainda escuta alguém afirmar que ele está morto.

Esta imensa confusão mental colhe praticamente a todos nós, mesmo os que imaginam possuir conhecimentos do mundo espiritual. A possibilidade de se ver transferido à outra dimensão, que mesmo sendo diferente da esfera física, apresenta para aqueles que lá vivem as mesmas impressões de materialidade, é de lenta adaptação.

Por tudo isso é difícil explicar a nova situação para alguém que imaginava que a morte lhe transformaria por completo. Vêem-se ainda de posse de um corpo, mais ou menos denso de acordo com a sua ligação com a materialidade. Agora acrescentemos a toda essa confusão mental a possibilidade desses espíritos recém desencarnados presenciarem a extração de seus órgãos para doação. O atordoamento é tamanho que muitos nem mesmos percebem que continuam a gritar e protestar mesmo se falte um órgão que seria imprescindível à vida caso ainda habitassem no corpo físico.

Fica claro que existe uma boa possibilidade de ocorrer à extração dos órgãos em um corpo onde ainda haja um espírito ligado. Essa relação depende da capacidade de entendimento do desencarnante e igualmente de seus méritos para que possa ser auxiliado com presteza. Existem casos de captação de órgãos em pessoas que nem mesmos conheciam a possibilidade deste tipo de interferência cirúrgica. A falta de informação é um fator de extrema importância em casos assim.

Importante se faz que compreendamos que somos seres que sobrepujamos o corpo físico. Somos espíritos que senhoreamos nosso mundo celular na organização visando o perfeito funcionamento corporal. Este modelo organizacional é dado pelo espírito por intermédio do seu envoltório, o perispírito. O corpo orgânico libera uma substância que pode ser fotografada pela câmara de Kirlian, a qual denominamos de ectoplasma e que participa da formação do duplo etérico, que por sua vez faz a conexão entre o corpo do espírito e o corpo material. Cessando a produção deste ectoplasma o espírito perde a possibilidade de manter a ligação com o corpo físico ocorrendo a paralisação orgânica do corpo físico o que caracteriza o início do desencarne.

Toda a doença de graves proporções emerge de dentro para fora. È criação do espírito que por um processo de adaptação íntima mal resolvido macula sua função organizacional celular repercutindo diretamente sobre o perispírito e por conseqüência na produção do ectoplasma que acaba por repercutir no veículo corporal onde instala-se uma enfermidade. Por exemplo, caso cortássemos um dedo com uma faca dificilmente nos apresentaríamos com este corte na espiritualidade porque a origem do problema foi externa e nesse caso não teria afetado a estrutura perispiritual. No caso deste mesmo corte ter por algum motivo nos marcado emocionalmente de maneira muito forte, existiria, então, uma grande possibilidade de transferirmos mentalmente esta marca para nosso perispírito, por que teria influenciado substancialmente o responsável pela gênese das doenças, o próprio espírito.

Constatando que a origem da imensa maioria das enfermidades dá-se no espírito fica fácil afirmar que a sua cura, ou ainda, o efeito paliativo depende em grande parte do entendimento e da capacidade, que por conseqüência, apresentamos, de buscar a harmonização íntima.

Devido a todas essas dificuldades não seria nenhum exagero afirmar que encontraríamos uma grande quantidade de espíritos correndo atrás de seus órgãos após a captação dos mesmos visando transplante. Em muitos casos de auxílio espiritual esses companheiros desinformados passam por verdadeiras encenações hipnóticas com o objetivo de lhes alterar o padrão mental na intenção de que se vejam novamente portadores de seus órgãos perispirituais. Cirurgias na espiritualidade fornecem esse apaziguamento aos desencarnados que se entendem defeituosos pela ausência de algum órgão que viram ser extraído do corpo material. Seria o caso dos hipocondríacos espirituais que mentalmente produzem os efeitos que lhes repercutem na forma de enfermidades.

Poderíamos dizer que todo o problema está na mente, no espírito, e que para a sua solução necessitamos da conscientização da real causa de seu problema e do esclarecimento devido para encontrar o ponto de equilíbrio possível.

Sabemos ao abordar a questão dos transplantes que existem diversos fatores que precisam ser observados para a perfeita efetivação da operação. O fator sangüíneo e a utilização de imunodepressores que diminuem a possibilidade de rejeição são aspectos importantes do ponto de vista clínico, mas muitos são igualmente os aspectos espirituais que envolvem os méritos de um transplante.

Mesmo não possuindo este conhecimento os médicos operam estreitamente ligados a equipes médicas na espiritualidade. Como abordamos anteriormente a imensa maioria das doenças tem origem na alma e, portanto, é nela que precisa haver a intervenção para objetivar-se a cura. Tratar somente do corpo deixando a matriz enferma no perispírito permite o recrudescimento da mesma doença em momento posterior. A cura ou a solução parcial do problema do encarnado passa por diferentes fatores que tentaremos resumidamente abordar.

A condição moral dos envolvidos – Como enfatizamos é o espírito que organiza a funcionalidade celular de seu envoltório. Sabemos que somos cada um de nós um mundo complexo e distinto e que, portanto, funcionamos singularmente. Estes diferentes padrões de funcionamento estão transcritos igualmente no corpo físico, inclusive no órgão que será transplantado. A medicina terrena ignorando esta diferença que pode tornar-se causa de rejeição fica sujeita aos méritos do paciente e da qualidade moral do doador para receber o devido aporte da espiritualidade na conjunção destes diferentes padrões vibratórios visando o perfeito funcionamento do órgão em um novo corpo.

A vitalidade do órgão – Cada indivíduo está sob uma programação reencarnatória exclusiva, o tempo que deveria habitar encarnado e a vitalidade que seus órgãos deveriam apresentar no cumprimento desta programação é outro fator que necessita da participação espiritual para a revitalização no caso dos órgãos a serem reutilizados por outras pessoas em outros corpos com programações distintas.

Prontuário do receptor – A referência a esta mesma programação reencarnatória, se é permitido a cura do paciente na enfermidade em questão. O próprio espírito pode inconsciente concorrer para a falência do órgão devido a uma necessidade expiatória que um processo de culpa lhe exige perante a consciência, o ressarcimento moral inconscientemente concorre para efetivar.

A rejeição mental do paciente – Os casos que infelizmente existem de rejeição espontânea por parte do espírito receptor que não aceita um órgão que provenha de pessoa de raça, cultura ou mesmo religião diferente da que aceita. Sofre devido ao seu próprio preconceito.

As emanações espirituais / magnéticas da equipe médica – É facilmente perceptível o odor característico que fica impregnado na pele e no organismo das pessoas que fumam. Da mesma forma toxinas espirituais podem existir por efeito da má conduta daqueles que participam do procedimento cirúrgico. Abuso do álcool, do fumo, os desregramentos de conduta, aqueles que trabalham no interior de uma pessoa deve levar em consideração que a assepsia material não tem efeito nas questões espirituais. Para aqueles que duvidam da existência de bactérias espirituais lembremos que as bactérias que observamos fisicamente eram tidas como imaginação antes de inventarmos o microscópio. Se existe uma bactéria física existe igualmente um principio espiritual que a organiza.

A conscientização do doador – Fator diretamente relacionado às obsessões. Essas obsessões que podem ocorrer nos casos de transplante na maioria das vezes não estão relacionadas a vinganças e sim a desinformação. Ao se verem surrupiados de seus órgãos, por falta de conhecimento da realidade espiritual, crêem-se dependentes dos mesmos órgãos para continuarem vivos, na maioria dos casos não tendo consciência que desencarnaram. Por conseqüência natural exigem e fazem todo o possível para reaver suas partes extraídas, seguidamente partindo junto com os órgãos transplantados.

Todos somos espíritos comandando corpos, momentaneamente atrelados aos mesmos, portanto somos igualmente passíveis de influenciação espiritual. Devido a presença espiritual do acompanhante do órgão (seu ex-proprietário) existe uma troca fluídica que repercute por intermédio do ectoplasma do duplo etérico no corpo físico, as sensações de ausência do órgão que a mente do desencarnado produz tendem a fazer efeito sobre o paciente recém transplantado. Mesmo com a ocorrência tranqüila do processo cirúrgico o organismo do paciente pode apresentar rejeição por influência direta da obsessão “não-intencional”. Neste aspecto de troca mediúnica por intermédio dos fluidos podemos enquadrar os relatos de apresentação parcial das memórias do doador que nos acompanha e interage conosco. São comuns os casos de rejeição onde não existem as constatações de falha médica e que surge de complicações espirituais.

De todo este nosso relato, das possibilidades de complicação, deduz-se que o Espiritismo é contra o transplante de órgãos?

De forma alguma, jamais poderemos ser contra os meios empregados na intenção de aliviar a dor ou buscar prolongar saudavelmente uma vida. Estimulamos sim é a aquisição de conhecimento de causa para atuarmos com maiores recursos se realmente desejamos auxiliar ao próximo.

Sabemos que nada acontece por acaso, que em tudo existe a sabedoria de Deus trabalhando de forma que por vezes não percebemos, mas que visa sempre nosso bem estar. Somos sabedores que as enfermidades têm, em sua maioria, origem em nós mesmos e que somos igualmente os maiores responsáveis pela busca do equilíbrio se o almejamos.

Para sabermos se é válido ou não a doação de órgãos basta que invertamos os papéis. Como nós nos sentiríamos se estivéssemos na necessidade de fazer uma hemodiálise de 2 horas diárias 3 vezes por semana para sobrevivermos e aguardando longamente na fila de espera por um transplante sem saber se o receptor surgirá a tempo? E se nós dependêssemos desse transplante?

De que nos servirá um corpo que a terra há de engolir? Do pó ao pó. O corpo precisa ser respeitado e prova maior desse respeito é possibilitar que partes do mesmo sejam úteis a outros que podem precisar depois que estivermos libertos do mesmo. Porque não doarmos o que para nós perdeu a utilidade?

É necessária a nossa conscientização com relação ao processo de doação para mais tarde não sermos também colhidos pelas complicações originadas na falta de informação. Estejamos em constante preparo para o desencarne, a troca de morada. Ao possuirmos a vontade sincera de doar muitas das complicações já estarão superadas, a outra parte depende do receptor do órgão. A doação, que imprescinde do esclarecimento, constitui-se em elevado desprendimento material e um belo gesto de caridade quando praticada espontaneamente.

François

4 de junho de 2005